quarta-feira, 6 de maio de 2009

Luluca e Cia. Dia das Mães

A Luluca e a Dani estavam brincando com suas bonecas quando a Mari chegou dizendo:

- É Dia das Mães pra lá e Dia das Mães pra cá ! No rádio e na Tv é só Dia das mães! Comprem um presente para o dia da Mães!
- Quando é o dia das Mães, - arriscou a Luluca, - eu nem tenho idéia.

- O dia das Mães sempre cai no segundo domingo de maio, - respondeu a Mari, sentindo-se muito importante, pois isso ela sabia!
A Dani estava desconsolada e falou:

-Eu não tenho dinheiro e como vou poder comprar um presente para minha mãe, sem dinheiro? Sem ela saber?
-Eu também não, - respondeu a Luluca, dando um suspiro desanimado. Depois perguntou para a Mari:
- E você, como é que você vai fazer?
Mari respondeu, explicando
- Andei falando com a Bia, nossa cozinheira, e pensamos em fazer um bolo
confeitado para a minha mãe.
– Bolo é bom, - arriscou a Dani ! No mesmo instante, Mari teve uma idéia e disse:
– Quem sabe a Bia pensa em alguma coisa para ajudar vocês? Vamos até lá em casa perguntar?
As duas meninas menores pediram licença para as mães e logo depois, saíram as três, correndo em direção à casa da amiga.

A Bia estava terminando de guardar a louça quando as meninas invadiram a cozinha.
- Precisamos de uma ajuda urgente! - participou a Mari, enquanto a Luluca e a Dani davam um abraço na amiga cozinheira.
-Céus, por que toda essa correria e afobação, - exclamou a mulher ao ver as meninas esbaforidas e olhando pra ela. – Que foi que aconteceu?
- É sobre o dia das Mães. Elas não sabem o que fazer e não tem dinheiro para comprar um presente, - respondeu a Mari.
-Pensamos então que você, que sempre tem solução para tudo, poderia ter idéia do que fazer.


-Ora, nós duas já combinados que vamos fazer um bolo, não é, Mari? - disse a mulher, - mas, na verdade, já estou tendo uma idéia melhor!
– Lembra daquelas pequenas fôrmas em formato de coração que estão lá na despensa? - Temos três delas e o que vocês acham de eu fazer três bolos pequenos e decorar? Posso até cobrir com glacê!
- Cor de rosa, - pediu Dani
-E com uma fita para enfeitar!, - arriscou a Luluca.

A Bia, já gostando da idéia, falou:
- Vai ser um presente legal e se escreverem um cartão,tenho certeza que as mães de vocês vão adorar!
-Oba! Que idéia tão boa,- falaram as amigas, todas ao mesmo tempo!
-Obrigada por resolver esse problemão, - exclamou a Mari, secundada pelas outras duas, - eu tinha certeza que a gente podia contar com você!
A Bia deu uma risada ao ver o alívio estampado no rosto das meninas. Quando notou que já estavam prontas para tomar outro rumo, ofereceu:
- Alguém quer provar as broinhas de milho que eu fiz para o lanche?

- É claro que sim,- responderam as três, e a Dani ainda
acrescentou:
- De repente deu uma fome na gente! – e todas caíram na gargalhada enquanto Bia pegava a bandeja onde havia colocado as broinhas.
Depois de comerem, a Mari avisou:
- Agora, turma, precisamos pensar de que jeito vamos fazer os cartões.
–––––-
Dias depois, na casa da Mari, as três amigas deram os últimos retoques nos cartões feitos com cartolina. As meninas ditaram as dedicatórias para Mari escrever. Depois pintaram coraçõezinhos e flores com tinta guache.


Como a Luluca e a Dani ainda não sabiam escrever seus nomes, Mari escreveu " Luluca " e " Dani" numa folha de papel e fez as amigas copiarem para o cartão. Foi assim que conseguiram, cada uma, escrever o nome com sua própria mão. Depois de bastante esforço e de vários “Ai, eu não vou conseguir!” os cartões ficaram prontos e muito bonitos!



O domingo do dia das Mães estava próximo. Na véspera, Bia assou os três bolos. Fez isso numa hora que não havia ninguém em casa. Mais tarde deu o acabamento, cobriu com o glacê, decorou e colocou os corações na despensa para a cobertura secar e para ninguém ver.


Pediu para a Mari procurar duas caixas de papelão para colocar os bolos das amiguinhas. Foi tudo feito no maior segredo e as caixas entregues sem ninguém notar.

Luluca se preparava para dormir e caixa já estava bem escondida debaixo da cama.


Ela não queria que sua mãe, dona Cotinha, desconfiasse de nada. Com tanto segredo, não é de se admirar que naquela noite a menina custou pegar no sono. Estava ansiosa demais!
-----
Quando acordou no outro dia, logo se lembrou do presente da mãe, escondido debaixo da cama.


Depois de se vestir, pegou a caixa e abriu. Lá dentro, sobre uma bandeja de plástico, estava o bolo feito pela Bia. No formato de coração, coberto com glacê cor de rosa e com a palavra Mamãe” ! Para arrematar, uma linda fita amarrada ao seu redor.
Cheia de cuidados, a menina retirou a bandejinha com o bolo e o admirou. Como ficou bonito, pensou. Acho que mamãe vai gostar!

Sem perder tempo, pegou o cartão guardado na gaveta e carregando o bolo, saiu do quarto.
–––––

Dona Cotinha estava preparando o café da manhã. Viu quando a filha chegou na cozinha. Quase não podia acreditar no que estava vendo: sua Luluca, trazendo nas mãos um pequeno bolo confeitado no formato de coração! Ainda mais espantada ficou quando a filha lhe entregou um cartão, feito por ela mesma.

As palavras escritas no cartão traduziam todo o amor que a menina sentia pela mãe e, o que mais a comoveu, foi ver o sorriso de felicidade estampado no rosto da menina.
Luluca estava muito orgulhosa em poder dar um presente e muito feliz por a mãe ter gostado dele.
Dona Cotinha colocou os presentes sobra a mesa, abriu os braços e Luluca correu ao seu encontro. Pegando a filha no colo, começou a rodopiar e dançar pela cozinha cantando:
“ Viva a minha filhinha que é a minha queridinha” e acrescentou, “ A alegria da Cotinha é essa menininha”!
No meio de tanto abraço, Luluca ainda conseguiu recobrar o fôlego. Sem perder tempo, também começou a cantar:
“Feliz dia das Mães! Minha querida mamãe. Mamãe querida, querida mamãe!
FELIZ DIA DAS MÃES

2 comentários:

  1. Enjoy your blog.So kind.Good luck!
    We hope that we will have the opportunity to make friends with you.
    We invite you to come to our blog. You are welcome any time.

    http://www.china-cutter.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Vó essa Lulu, viu... Quem diria!
    Muito criativo!
    Abraços do seu neto,
    Hector.

    ResponderExcluir